terça-feira, outubro 24, 2006

Não sei a diferença HOJE entre ESTAR vazia e me SENTIR vazia. Só sei, só sinto um vazio enorme, imenso.

Sinto falta de ar, um aperto profundo no peito, uma vontade de gritar, chorar, de sair correndo loucamente...Eu, somente eu, sozinha...comigo mesma.

Tenho tanto a falar, a sentir, a descobrir, a desvendar, mas não sei como.

Assim simplismente: NÃO SEI!!

Provavelmente isso faça com que eu ainda me sinta pior.

Antes, contudo, eu ainda vivia, ainda sorria...hoje eu sei. Atualmente tudo é superficial.

Me sinto um lixo, desamparada. Chego a sentir pena de mim mesma.

Não vejo possibilidades para o futuro, não vejo, não sinto. Não sinto esperança. Temo planejar, sonhar, estabelecer metas, pois tudo desaba sempre que sinto uma pontinha de alegria ou tenho qualquer sentimento positivo.

Sempre que acontece algo que parece ser bom, em seguida acontece algo ruim.Nada tem dado certo, e as coisas vão de mal a pior.

Não quero mentir para mim mesma, não quero mais fingir que tudo está bem, pois sempre que acredito que ficará, há perdas e tudo acaba se acumulando.

É uma bola de neve.Continuo sofrendo consequências dos atos de outras pessoas.

Não importa quem são, continuo vivendo assim e o barco continua afundando e eu não aguento mais tirar a água com o balde, pois estou exausta.

Não consigo acreditar em mais nada, nem confiar que um dia ou que em algum momento, tudo realmente ficará bem.

Estou começando a crer que não nasci para viver, para ser feliz, para amar e ser amada.

Sinto falta de tudo. Absolutamente TUDO.

Ainda creio em Deus, meu Pai Eterno. Mas não creio mais que tudo possa estar em suas mãos.

Se pudesse, me doparia diariamente, para ficar amortecida.

Fuga? Sim, e daí!?O que mais posso querer?

Já quis muito, já desejei, sonhei, acreditei...mas parece que me foi construído um castelo de areia.Temo por mim, pelo meu futuro, pelo futuro.

Pela 1ª vez, estou encarando o abuso sexual que sofri, de frente, cara a cara. Jamais imaginei que fosse fácil. Mas diante de todas as dificuldades que tenho passado (hoje, no presente), tudo se etorna um fardo. Um fardo no qual eu não posso e nem consigo carregar. É muito pesado para mim.

SINTO MUITO MEU AMOR.

Hoje sou incapaz de proteger alguém, de amparar, pois estou precisando ser cuidada e não estou em condições de dar cuidados.

Meus cabelos cairam uns 30%. EStão sem vida, sem brilho, ásperos. Os mesmos que um dia chamavam atenção pela beleza, por serem viçosos...onde eu passava meu cabelo era elogiado. Minhas unhas estão feias, descuidadas, minha pele tb está abandonada. Meu corpo feio, nojento, obeso, cheio de estrias. Meu rosto? Horroroso, enorme e feio.

Pensar que um dia fui invejada pela minha beleza. HOje mal consigo me olhar.

Sinto vergonha, raiva, tristeza, ágoa, desesperança, desprezo por mim mesma.

Sinto que vou explodir. Como se realmente meu corpo fosse inchar até explodir. Em todos os aspectos.

Ainda tenho que fingir, não completamente, mas ainda preciso, do contrário, a pessoa com quem vivo também pode desabar e sinto que essa pessoa tem menos estrutura emocional que eu.

Ninguém tem culpa. Talvez eu tenha um pouco, por ter permitido que tudo chegasse a tal ponto.

Como me sinto infeliz...

¤ Por: Sobreviver | 6:28 AM | (3) comments


terça-feira, setembro 26, 2006


Se você sente dor, eu também sinto!!

Meu amor, meu carinho por você é grande, e apesar da distância física, estamos muito próximas e isso nunca ninguém poderá nos tirar, impedir.

Nossa força é grande, nós também somos.

Somos grandes, somos batalhadoras, vencedoras e vamos vencer mais e mais, a cada dia temos uma vitória.

Fique bem, por você, por nós...

Chore, desabafe...

Fale... isso faz bem, alivia a alma, o peso. Mas depois, lave o rosto, coloque uma música agradável, feliz. Arrume o cabelo, vá lá no fundo das lembranças e traga as mais agradáveis, as mais felizes, as mais sublimes.

Eu estou aqui, eu estou ao seu lado, para o que for.

Te amo.

¤ Por: Sobreviver | 4:49 PM | (3) comments


sexta-feira, agosto 25, 2006

A dor nos corrói a alma...
Dói, como dói...
Chega a queimar...
Em alguns momentos, parece que vamos explodir, explodir para todos os lados, em todos os sentidos, nossos pedaços se espalharão e jamais poderemos juntá-los novamente.
Ás vezes tenho essa sensação, sensação de impotência.
hà momentos que paracemos estar completamente sozinhas, na pior das solidões, mesmo estando entre uma multidão....
Há um vazio, um buraco enorme, um precipício...
Há uma ferida que não cicatriza, cheia de pus...
Há mágoa, medo, insegurança...
Há ódio, raiva, vontade de nos punir, como se nós fôssemos realmente as culpadas pelo que não fizemos, e como consequência, a sensação de que ainda estamos e estaremos pagando por algo que não fizemos, de que estamos sofrendo as consequências dos erros de outro.
Talvez por isso nos dá vontade também de nos punir, nos maltratar.
Como nada vem sozinho, assim adiquirimos o distúrbio alimentar, a depressão, transtorno do pânico, a perda da identidade, o medo de nos amar, de amar, algumas desenvolvem até a automutilação....
Amor?
Sabemos relamente o que é o amor?
O que é amar?
O que é ter uma família?
De fato não sabemos e nem poderíamos saber, pois não tivemos uma referência, não nos ensinaram o que é amor, o que é ter uma família sem que não tivesse algum tipo de violência, falta de respeito, dor.
A vida parece passar diante de nossos olhos, como se estivêssemos assistindo tudo de uma janelinha, da janela de um trem, e ela passando a nossa frente, sem que pudêssemos ou conseguissemos fazer nada, absolutamente nada.
Nos perdemos em um caminho que parece não ter volta.
Não nos mostraram dois caminhos, não nos deram opção, por isso é tão difícil fazer o caminho de volta, de volta a vida real, normal.
Somos prisioneiras não sei do que.
Nos prenderam e perderam as chaves ou as jogaram fora.
Há momentos que parecemos ser prisioneiras da violência que sofremos, do passado que não quer ficar para trás, que sempre nos presegue de alguma forma.
Para nós, a liberdade custa caro, pois não sabemos como adquirí-la.
Injusto? Sim, mas conhecemos alguma justiça em nosso mundo paralelo de sobreviventes do abuso sexual?
Sabemos que tudo é possível, mas saber é o suficiente?
Só sei que precisamos acreditar em algo, nos agarrar em algo. Em Deus, na esperança, no amor...
Desejo que nos libertemos do passado, que aprendamos a viver o presente, administrar o passado.
Desejo liberdade e amor à todas!!!
De uma coisa pelo menos tenho certeza absoluta, não importa como estamos hoje, SOMOS VENCEDORAS e devemos nos orgulhar de ter chego até aqui, não importa como, chegamos, SOBREVIVEMOS e SOBREVIVEREMOS.

¤ Por: Sobreviver | 6:26 AM | (4) comments



Eu estou tão cansada de estar aqui
Sufocada por todos os meus medos infantis
E se você tiver que ir
Eu gostaria que você vá logo
Porque sua presença ainda persiste
E isso não me deixará sozinha

As feridas parecem que não cicatrizam
A dor é muito real
Existe muita coisa que o tempo não apaga

Quando você chorou eu limpei todas as suas lágrimas
Quando você gritou eu lutei contra todos os seus medos
E eu segurei sua mão por todos esses anos
Mas você ainda tem tudo de mim

Você me cativa
Com sua luz resonante
Agora eu estou presa na vida que você deixou para trás
Seu rosto assombra meus sonhos que um dia foram bons
Sua voz espanta toda minha sanidade

Estas feridas parecem que não cicatrizam
A dor é muito real
Existe muita coisa que o tempo não apaga
Quando você chorou eu limpei todas as suas lágrimas
Quando você gritou eu lutei contra todos os seus medos
E eu segurei sua mão por todos esses anos
Mas você ainda tem tudo de mim

Eu tenho tentado me dizer que você foi embora
Apesar de você ainda estar comigo
Eu sempre estive sozinha

Quando você chorou eu limpei todas as suas lágrimas
Quando você gritou eu lutei contra todos os seus medos
E eu segurei sua mão por todos esses anos
Mas você ainda tem tudo de mim

¤ Por: Sobreviver | 6:15 AM | (0) comments


sexta-feira, junho 16, 2006


¤ Por: Sobreviver | 9:14 PM | (2) comments


quinta-feira, junho 15, 2006


É importante saber que existem distinções entre as categorias de violência sexual: abuso e exploração. As causas, a manifestação, as possibilidades de intervenção, a legislação e as formas de atendimento se diferenciam nos dois casos.

ABUSO SEXUAL: Situação em que o adulto submete a criança ou adolescente, com ou sem consentimento, a atos ou jogos sexuais, com a finalidade de se estimular ou de se satisfazer, impondo-se pela força física, ameaça ou pela sedução, com palavras ou com ofertas e presentes.

O abuso, violência e a exploração sexual de meninos(as) e adolescentes são crimes enquadrados penalmente como corrupção de menores e atentado violento ao pudor - quando o agressor usa violência física ou faz grave ameaça.

EXPLORAÇÃO SEXUAL: É o ato ou jogo sexual em que a criança ou o adolescente é utilizado para fins comerciais por meio de relação sexual, atos libidinosos, indução à participação em shows eróticos, fotografias, filmes pornográficos, prostituição e imagens na Internet.

TURISMO SEXUAL: É a exploração sexual de crianças e adolescentes por turistas, em geral procedentes de países desenvolvidos, ou do próprio país. A exploração sexual envolve a cumplicidade, por ação direta ou omissão, de agências de viagens, guias turísticos, hotéis, bares e lanchonetes, barracas de praia, taxistas, prostíbulos, casas de massagens, além da tradicional cafetinagem.

Muitas vítimas integram as "atrações" dos pacotes turísticos e alguns hotéis oferecem meninas para esse fim. O trabalho da polícia revela que, ao contrário do que se pensava, o turista não constitui a maioria dos clientes, e sim, os próprios brasileiros.

TRÁFICO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES: De acordo com o Código Penal Brasileiro, o tráfico é a promoção da entrada, no território nacional, de mulher que neste venha a exercer a prostituição, ou a saída de mulher uq evá exercê-la no estrangeiro, sendo a vítima maior de 14 e menor de 18 anos (Art. 231).

No Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), o tráfico se caracteriza pela saída da criança da cidade onde reside desacompanhada dos pais ou responsável, sem expressa autorização judicial ou a saída de crianças e adolescentes para fora do território nacional sem prévia autorização judicial (ECA Art. 83,84,85).

PORNOGRAFIA INFANTIL: Consiste na exposição sexual de imagens de crianças e adolescentes, incluindo fotografias de sexo explícito, negativos de foto, projeções, filmes, vídeos e discos de computadores.

Autoridades norte-americanas acreditam que o mercado mundial da pornografia infantil movimenta, por ano, de US$ 2 bilhões a US$ 3 bilhões, ou seja, a Internet é só mais um meio de espalhar o material pornográfico.

A pornografia infantil é considerada exploração sexual, e de acordo com o texto da lei, quem produzir ou dirigir representação teatral, televisiva ou película cinematográfica, utilizando-se de criança ou adolescente em cena de sexo explícito ou pornográfica fica na cadeia por no mínimo quatro anos, além de pagar multa.

Quem contracenar, fotografar ou publicar alguma cena de sexo explícito ou pornográfica envolvendo criança ou adolescente também é punido com quatro anos de prisão.A pessoa que comete o crime de pornografia infantil não é necessariamente um pedófilo, pode ser um abusador casual.

Já a pedofilia é um comportamento psicopatológico de caráter sexual, ou seja, o indivíduo tem uma doença cujo sintoma é a preferência sexual por crianças. Não se detecta a patologia até que ela se manifeste, que pode ser como estupro, atentado violento ao pudor, sedução, corrupção de menores e exploração sexual.

AGRESSORES: Existem distinções entre as categorias de agressores sexuais. O perfil de quem pratica o Abuso é diferente de quem comete a Exloração Sexual, mas nos dois casos, eles são considerados criminosos.

ABUSADOR: O abuso sexual da criança e predominantemente praticado por adultos do sexo masculino. Esses agressores podem ser encontrados em todos os níveis sócio econômicos, religiosos e étnicos. São pessoas geralmente bem relacionadas e bem vistas em seus ambientes sociais e estimadas pelas crianças e pelos adolescentes.

O perfil do abusador sexual é pouco definido, mas sabe-se que em 90% dos casos a criança é abusada por alguém que ela conhece, e na maioria das vezes, a criança fica calada, com medo da represália do adulto. Dados da ABRAPIA apontam que o abuso intrafamiliar corresponde a 52% dos casos, e o criminoso costuma ser, em ordem, o pai biológico, o padrasto, tios, avôs e irmãos.

A maioria dos casos é descoberta por outro indivíduo adulto, que fica sem saber como lidar com a situação, enquanto as crianças sofrem pelo resto de suas vidas, com dificuldades sexuais ou emocionais.

Juridicamente, é considerado abuso desde o voyeurismo, carícias inadequadas até atos sexuais, em outras palavras, estupro. A lei 8.072, de 1990, caracterizou o estupro e o atentado violento ao pudor como crimes gravíssimos (hediondos), onde o criminoso não têm direito a fiança, indulto ou diminuição de pena por bom comportamento.

EXPLORADOR SEXUAL: Geralmente é alguém que visa o lucro financeiro, vendendo o sexo ou as imagens das vítimas. Além de ser considerado comerciante ilegal, pode ser também agressor sexual - circunstancial ou pedófilo - ou mesmo sociopata.

É a prostituição de crianças e adolescentes, onde todos envolvidos são exploradores, até o cliente, intermediários, ou facilitadores. E mais: as meninas exploradas comercialmente são excluídas dos valores sociais e culturais, por isso não são prostitutas, mas prostituídas.

A UNICEF estima que cerca de 500 mil brasileiras, entre 7 e 14 anos, estão prostituídas. Elas têm origem pobre e são levadas por adultos a vender o corpo como forma de sobrevivência.

Muitas vezes, os próprios pais são omissos, pois o que as meninas ganham complementa a renda familiar. A situação às vezes chega a ser deplorável, como casos registrados em Rondônia, de crianças que se prostituíam por um sorvete, ou uma cocada.O agenciamento de crianças ocorre em vários Estados, e às vezes as meninas são traficadas como mercadoria para outros países.

------------------------------------------------------------------------------------------------

A sexualidade é parte de todo ser humano, independente da idade. Crianças da mesma faixa etária apresentam comportamentos e hábitos sexuais parecidos, e para desenvolvê-los de forma saudável, é preciso seguir etapas.

A criança tem esse direito, e o adulto tem o dever de assegurá-lo.Quando a criança vivencia ou conhece atividades sexuais inadequadas para sua idade, seu desenvolvimento pode tornar-se problemático. A situação torna-se mais grave quando o desenvolvimento de uma criança é interrompido por atos de violência, sedução ou coerção.

A agressão contra crianças e adolescentes tem vários nomes. Pode ser agressão física ou verbal. Ou então negligência, que é quando o responsável se nega a fornecer à criança itens básicos para sua sobrevivência, como comida, casa ou educação.

Ainda há a violência sexual, que se manifesta nas formas de exploração sexual comercial (ou prostituição infantil), abuso sexual, pornografia e pedofilia.

Estatísticas sobre abuso infantil são difíceis de conseguir, e muitas vezes imprecisas. A maior parte desses crimes não chega ao conhecimento das autoridades, pois sendo a vítima uma criança, ela tem pouca ou nenhuma capacidade de resistência.

Segundo o Laboratório de Estudos da Criança (LACRI), da Universidade de São Paulo, apenas 2% dos casos ocorridos dentro das famílias são denunciados à polícia.

Uma pesquisa feita por entidades que trabalham em parceria com o Ministério da Justiça mostra que a cada oito minutos uma criança brasileira é vítima de abuso sexual, isso totaliza 60 mil crianças por ano, sendo que 80% das vítimas são meninas entre 2 e 10 anos.

Cito novamente que o perfil do criminoso não é preciso, ele pode ser tanto um agressor sexual circunstancial, um sociopata ou pedófilo. Cada agressor pode executar um ou mais crimes de uma vez, já que exploração sexual comercial é diferente de abuso, que por sua vez, não é a mesma coisa que pedofilia.


¤ Por: Sobreviver | 11:11 AM | (0) comments


quarta-feira, junho 14, 2006



Hoje estou feliz, muito feliz.
Hoje, me sinto feliz.
É bom sentir-se amada, querida.

Baseado no ato de dar.
Dar amor, dar carinho,
dar ouvidos, dar um ombro,
dar um abraço, mesmo que seja virtual...

Dar sem receber...

Tenho recebido muito,
De maneira pura, de boa fé...

Hoje, posso realmente dizer que tenho pessoas especiais e muito importantes em minha vida.

Pessoas que me respeitam, sem cobranças...

Conquistamos algo, resgatamos valores...

Amo vocês e é muito bom saber que posso contar com vocês sempre.

¤ Por: Sobreviver | 1:41 PM | (2) comments


terça-feira, maio 30, 2006



O QUE NÃO FUI (Humberto Amâncio)

Tenho saudades de mim
Daquilo que eu não fui e tudo o que não dei a mim.
Tenho Saudades do nada ao ter toda saudade de mim.
Mas em tudo me percorre como se fosse verdade.
Também uma grande mentira a plena necessidade de não saber o que escorre de tudo, dos outros, de mim.
E não sabendo de nada
Nem dos outros, que sou eu ser apenas o sentir cada, que tudo significa ir...

¤ Por: Sobreviver | 10:12 AM | (1) comments



Perfil

Name: Sobreviver.
Idade: 30 anos.
Signo astrológico: Aquário.
Ano do zodíaco: Dragão.
Quem sou: Uma militante pelo fim do sofrimento e abuso sexual intrafamiliar.


Outros Blogs

Dy

Fabiola

Lela

Menina

Pele de Cristal

Princesinha





Archives
Maio 2006 Junho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006


Créditos

VICKYS.com.br Comunidade 
Blogueira Powered by Blogger

Layout by Fabiola